O que você bebe?

Esses últimos dias todas as redes sociais sofreram com a enxurrada de posts, comentários, reclamações e mimimis em geral sobre o tal rato no refrigerante e o corante do capiroto, o Caramelo IV.

Se você não faz a sua própria cerveja/refrigerante/miojo ou planta/cria seu próprio alimento e não come fora de casa de forma alguma, não tem jeito, será exposto a corantes, conservantes, estabilizantes e acidulantes que existem em praticamente 100% dos produtos industrializados. Além de milhões de outros problemas de higiene de deixarem o Doutor Bactéria beirando o colapso nervoso.

Dr Bactéria

Talvez, somente veganos com super-poderes consigam esse tipo de nível, mas é complicado, nem o Todd conseguiu. A Vegan Police tá aí pra provar 🙂

Mas como a maioria é de pobres mortais, escravos de um capitalismo louco e da sociedade de consumo, o tal do Caramelo IV é parte constante de nossas vidas. Seja nos refrigerantes, balas, chocolates, miojo, saudáveis barras de cereal e outras tantas coisas. Mas…

opiia

Isso mesmo, só dar uma olhadinha no resumo da Consulta Pública feita pela ANVISA para levantar quais são os adjuntos permitidos em uma cerveja.

No nosso querido País, quem regulamenta o que pode ou não ir nos alimentos, bebidas e outras porcarias que consumimos é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, ou ANVISA para os mais íntimos. E é vinculada ao Ministério da Saúde, enfim, sem mais delongas… Onde eu quero chegar com isso?

Não estou aqui para defender o uso de adjuntos cancerígenos, mas sim o pensamento crítico. Pra mim parece que nenhum desses jornalistas foi atrás de entender o que realmente é esse Caramelo IV, quais estudos foram feitos e quais as conclusões foram tiradas.

Uma pesquisa simples pelas internets encontramos um relatório do Programa Nacional de Toxicologia do Governo Norte Americano que realmente demonstra problemas encontrados em coelhos e ratos, porém…

Extrapolation of these results to other species, including characterization of hazards and
risks to humans, requires analyses beyond the intent of these reports. Selection per se is not an indicator of a
substance’s carcinogenic potential.

Então quer dizer que, que apesar de resultados cancerígenos em outras espécies, isso não é um indicador que a mesma substância pode ser perigosa para os seres humanos. Interessante…

Um dos princípios da Toxicologia é: A dosagem faz o veneno. Cerveja demais, por causa do álcool pode causar cirrose hepática, cancer de boca, estômago, garganta… Mas em doses menores tem ação anti-inflamatória, combate radicais livres e outros tantos benefícios.

Não quero concluir nada aqui, apenas tentar promover o pensamento crítico do pessoal que lê o blog.

Abraços e boas brejas.

Publicado por Fio Cavallari

Analista de segurança, pesquisador de malwares, guitarrista ruim e imitador do Silvio Santos.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: