Vem ni mim Dinamarca

Pronto, já que virou casa da mãe joana (e o blog estar bem animadinho nos últimos dias), vamos lá… todos os posts que eu estava guardando vão agora de forma burst.

Não feliz em ir para o Brasil fazer o lançamento da Mikkeller, o Mikkel levou o seu pupilo Tore da To Øl (e não Troll-O), outra cervejaria dinamarquesa. Mas isso todo mundo já sabe.

Como sempre falamos aqui há um bom tempo das Mikkeller, porque não falar da To Øl, pois não sei se levaram algum exemplar da mesma (espero que sim), e se levou você terá uma idéia do que pode estar te esperando nas prateleiras.

Na verdade, já falei no post da visita ao Mikkeller Bar sobre uma das cervejas, a Raid Beer, a única Pilsner que curti nos últimos anos. Com pouco mais de 5% de ABV, mesmo assim leve, MUITO saborosa, levemente frutada (mas muito longe de ser enjoativa). Na verdade, eu nem sei se ela foi oficialmente lançada.

Desde então, fiquei de olho para ver se cruzava com uma dessas aqui pela terra do Tio Sam, e a primeira que encontrei nas andanças da vida foi em um bar (um bar bem conhecido pelos senhores cervejeiros escandinavos que estão visitando o Brasil agora), a Goliat, uma double stout de pouco mais de 10% ABV, boa mas quase tão encorpada quanto a Mikkeller Black, e bem acentuada no café.

 

Uns dias depois, me deparei com algumas em uma loja de cervejas bem mainstream mesmo, o Binny’s. Comprei duas garrafas, a primeira a ser degustada foi a Overall IIPA, uma Imperial Double IPA feita em colaboração com a Mikkeller, bem balanceada, para quase 11% de ABV desceu bem, obviamente quanto mais quente ficava, mais “doce” ficava, mas bem gostosa.

A próxima da lista foi a Final Frontier IPA, outra Imperial/Double IPA, só que dessa vez, somente da To Øl, com um pouco menos de álcool (9% ABV) mas sinceramente, no mesmo estilo, bem balanceada. Para quem gosta desse estilo de cerveja, por um preço justo (pelo menos por esses lados), vale à pena.

 

A próxima da lista também foi encontrada nos bares de Chicago, foi a Sleep Over Coffee IPA, outra colaboração com a Mikkeller. Uma Imperial/ Double IPA com café. Aí sim! Algo diferente, se existe um tipo de cerveja que me empolga, é uma coffee IPA. Na falta de uma Koppi IPA da Mikkeller que eu acho ser o ícone do balanço entre o café e o lúpulo usado lá, esta também está lá (são poucas as coffee IPAs que podem ser encontradas por aí, geralmente coffee stout tem de baciada). Lá pelos seus 10% de ABV também, mas pelo fato de ser IPA, desce macio (e reanima).

e finalmente na lista…

 

Desta vez, fugindo das Imperiais IPAs e Stouts, fomos de uma estilo porter, 8% ABV, a Black Ball. Acho que já comentei antes aqui, Porter não é o meu estilo favorito de cerveja, tipo, se é para tomar uma cerveja escura, vai logo de Stout. Mas essa aí me surpreendeu, eu estava esperando aquele suco de bitucas aguado, mas na cor já deu para ver que ela não estava muito de brincadeira. Bem escura, encorpada, na verdade é uma American-Style Porter, o que signifca (neste caso) é que os lúpulos usados para fazê-la são lúpulos da terrinha do Tio Sam. Altamente recomendada.
Por enquanto é isso. Já que as pérolas estão sendo desvendadas (e nós deixando os outros ganharem dinheiro), fiquem de olho em duas outras cervejarias originárias dos lados nórdicos, ou melhor, procure aqui no blog, já postei das duas, a N….-Ø e a E… T….

 

 

Publicado por effffn

http://about.me/effffn

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: