Estatísticas…

Já que faz um tempão que não posto aqui, me “forcei” a fazer uma tour antes que o tempo vire totalmente do avesso. Passada a DefCon, BlackHat e afins.

Então, números:

580

2

6

13
qual é o signifcado desses números? Sim, estatísticas, mas do que? do site? não, do final de semana:

580 milhas dirigidas

2 dias

6 cervejarias

13 cervejas

Isso mesmo, depois de ficar pensando no que seria essa viagem, decidi parar de planos e realmente botar o pé na estrada.

A “lógica” era bem simples, há um tempo atrás entrei na lista da ratebeer.com para as melhores cervejarias de 2012 e, sem muita surpresa, várias cervejarias de Michigan estavam na lista. Obviamente esta lista é controversa,  sem dúvida, sempre existe um hype em tudo no mundo.

Tipo assim, cerveja agora parece BYOD né? Mais uma coisa que todo mundo sabe e entende BEM.

O dia começou relativamente cedo, pero no mucho, não adiantava sair muito cedo, pois tinha que chegar no primeiro “check point” pelo menos quando estavam abertos. Founder’s Brewery em Grand Rapids, Michigan, a # 2 da lista do ratebeer.

Eu já conhecia algumas cervejas deles, e claro que o objetivo era experimentar algo novo, que não conseguisse achar em garrafas por outros lados do país/mundo. Adjunto à cervejaria, existe a “deli” aonde servem cervejas e sanduiches “simples”. Ou seja, não é um restaurante em si, mas bem que dá para o gasto.

Chegando lá, de novo, com a missão de achar uma cerveja que nunca tivesse tomado, vi na lista uma chamada “Spite”. Sem nenhuma descrição. Perguntei para a bartender, o que seria a Spite. Ela me disse, é uma cerveja feita de pimentas, e avisou “é bem apimentada!”. Sendo uma pessoa que curte pimentas, e estando mais do que acustomado aqui nos USA aonde o pessoal fala “cuidado, é bem apimentado” mas que na verdade, não é, falei “sim, manda bala, é uma dessas mesmo que quero”. Ela sorriu e me trouxe um pint da cerveja.

Ao sentir o “aroma” da cerveja, era claro que a dor seria inevitável. Habañero, fácil…e  algo mais.

olhe aqui no untappd o que o povo diz.

Desceu… não tão fácil, mas desceu. Depois dessa, para manter a pimenta, foi a Teli Cherry Peppercorn Pale. De cherry, nessas alturas do campeonato, nada. Mais o cheiro (e gosto) de grãos de pimenta do reino. Ambas cervejas boas, mas a primeira precisaria de uma melhor preparação mental, pois mata um pouco o paladar. Chegou um maluco lá e pediu uma, depois de falar mil vezes que era a cerveja preferida dele, ao experimentar soltou um “nossa, cada vez está ficando mais forte”… é… então, a Teli Cherry, fácil, se vc gosta de pimenta do reino (líquida).
A próxima parada, era o destino da viagem, e não tão perto de onde estava, Ann Arbor, Michigan. É onde fica o restaurante da Jolly Pumpkin. A cervejaria em si é em Dexter, MI, mas não iria chegar à tempo. Mas “plenty of time” para o restaurante.

Chegando lá, um restaurante mais do que recomendado, cidadezinha bacana, balcão do bar “old style” de madeira e talz. Como era a última parada do dia, não tinha muita preocupação.

Para quem não conhece a Jolly Pumpkin, é uma cervejaria (também naquela lista lá, e várias outras) famosa por suas “sour beers”.

Então, tudo começou com a Calabaza Blanca, seguida pela Chopp Libre (que sim, é uma tentativa de copiar ao chopp brasileiro, uma  “fail” tentativa pois é muito mais saborosa que qualquer chopp que você possa ter tomado no Brasil), seguindo a lista de cervejas “on tap” foi a Weizen Bam Biere e para finalizar, me rendi a uma cerveja que não é da JP, mas sim da North Peak Brewing Company (que eu não conhecia), mas uma Diabolical IPA, tinha que ter sido provada. Por sinal, a comida neste lugar é sensacional, não vou falar de comida, porque aqui é um blog de cervejas.

Dia seguinte, a volta à Chicago começa, não muito cedo, e o próximo destino é mais uma cervejaria da lista lá, a Dark Horse Brewing Co. , no “meio do nada” em Marshall, MI. Totalmente um outro esquema, um bagulho totalmente rústico, mas sensacional.

De rústico tem tudo, desde as canecas do “Mug Club” que eles tem, que é bem típico de uma cidade do meio do interior dos USA. 46 USD você compra uma caneca de porcelada, que terá o seu número, e ficará pedurada no teto ou na parede, a diferença de outros “mug clubs” é que você paga 0.50 centavos a cada 6 cervejas, um baita negócio. E, a cerveja é BOA!

Lugar totalmente sem frescura, como falei, canecas no teto, paredes, etc.

tem comida também, não estava nos meus planos para comer lá. A cerveja, ou melhor, as cervejas, realmente muito boas.

Tomei a famosa Crooked Tree IPA (e parece que tem uma seasonal que é a Double Crooked Tree, mas só foi a primeira mesmo). A segunda, foi uma famosa Black Ale Special Reserve, segundo eles, um tipo de Sour Porter. Para mim, ficou mais como uma wild ale porter style, deliciosa. Essa vai deixar saudades mesmo.


Próxima parada, a última planejada, Bell’s, a # 3 da lista da ratebeer em Kalamazoo, MI. Pensei que seria mais ou menos o esquema da Jolly Pumpkin, que nada, um brewhouse bem sussa, sem serviço de mesa, você fica na fila, pede a cerveja e comida que quer, e depois vai pegar no balcão.

Várias cervejas “on tap” que não se encontra fácil em garrafas (pelo menos que eu conheça).
Escolha um pouco difícil viu. Mas como tinha tempo e ia comer, e eles tem um jardim no fundo do lugar que você pode ficar lá na boa (e parece que rolam uns shows de vez em quando também), o negócio foi aproveitar um pouco.

Black Rye foi a primeira e depois uma Experiemntal Hop 2012-4, sim, sou hophead caso tenham esquecido.

A comida, simples, mas boa.

Hora de ir para casa, ou não. Olhando no mapa, ainda tinha uma que estava praticamente no meio do caminho, e no final da lista lá da ratebeer.

Em um lugar totalmente simples, em uma cidade tão unpretentious quanto, me lembrando um Mikkeller Bar simplificado (e nada de errado com isso), tomei a coisa mais estranha que pude encontrar no menu, e, conforme esperado, foi estranho, uma Ginger Peach Ale da Livery. Ruim? não. Estranha? Sim. Realmente o nome diz tudo, mas um dia tenho que voltar lá para experimentar as outras cervejas que fazem.

E, como o trânsito estava ruim, já quase em IL, mas ainda em IN, porque não parar no super-hype, BYOD-Class em forma de cerveja? FFF

E foi realmente uma sorte ter parado lá, saiu a nova collaboration da FFF e Mikkeller, a Risgoop (o que deve ser a nova versão da Boogoop), não é o meu estilo de cerveja (na verdade barley wine) favorito, mas mesmo assim, boa.

E, para fechar o final de semana, uma Black IPA (para mim, o melhor tipo de cerveja possível), a Mentol. Se algum dia achar uma dessas, não perca tempo, compre e tome.

Depois de um longo “verão” sem muitos updates de cerveja, fica na memória a imagem abaixo, do bar da FFF em um domingo final de noite, antes do fantástico.

update: coisa importante que esqueci de mencionar: tanto a Dark Horse quanto a Bell’s (assim como as outras) tem a lojinha que vende bugigangas, camisetas, copos e afins, mas essas duas aí, vendem vários ingredientes para fazer cerveja, quisera eu ser um pouco mais persistente neste campo (de fazer cerveja, ao invés de apenas beber).

E aqui vai o mapa das 580 milhas

Publicado por effffn

http://about.me/effffn

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: