Tripel de fundo de quintal é trapista?

Faz tempo que postei sobre a breja que o Felipe fez, mas relembrar é viver: http://beerhacking.com/2011/08/02/debugging-fail-ale-beta-1-ribeirao-preto-release/

Enfim, de Agosto do ano passado até hoje já rolaram muitas brassagens aqui em Sampa e algumas lá em Ribeirão, mas o interessante disso é que o Felipe seguiu um estilo mais clássico, enquanto eu segui o estilo das cervejas extremas (Brewdog, Mikkeller, Dogfish Head – não que eu faça tão bem como eles, mas é pra onde eu miro…).

A cerveja que tomei hoje é da segunda brassagem do Felipe. Lembro que ele me falou pelo GTalk o que iria fazer e eu disse que seria arriscado, um estilo mais difícil e envolvia umas técnicas complicadas, mas o cara foi lá e fez a tal Tripel (na verdade eu acho que era esse tipo).

Era trapista, mas eu acho que ele queria fazer uma tripel...

Mas o que seria uma Tripel?
Esse termo (sim é um termo e não um estilo) originou-se nos Países Baixos e normalmente se refere à quanto a cerveja é forte (sendo essas medidas: dubbel, tripel e quadrupel). O tipo de cerveja em si é uma strong pale ale.

Não foi uma escolha muito boa para essa noite quente, normalmente esse tipo de cerveja é bem alcoólica (seria melhor alguma coisa sem graça mas beirando a -5C para refrescar). Mas só isso…

Ela está bem escura para o estilo, beirando as Quadrupel (será que era esse estilo que ele queria? Não me lembro :P). O aroma está legal, álcool, frutas secas e um leve torrado. No paladar o doce do maltado e das frutas secas esconde o álcool (não sei quanto ela tem).

Posso dizer que o Felipe está indo no caminho certo! Ainda precisamos fazer uma brassagem em conjunto!

Publicado por Fio Cavallari

Analista de segurança, pesquisador de malwares, guitarrista ruim e imitador do Silvio Santos.

Participe da discussão

1 comentário

  1. Técnicamente para ser Trapista tem que ser produzida sob a supervisão de monges trapistas.
    Se não me engano pode ser chamada de cerveja de abadia.
    Mas existe esperança para o Felipe, no sul do Paraná, na cidade de Campo do Tenente, 90 Km de Curitiba, existe a Abadia Trapista Nossa Senhora do Novo Mundo, um mosteiro Trapista… só se converter e mandar bala nas brassagens… hehehehe
    Quem sabe até consegue utilizar o selo de Produto Trapista Autêntico.

    Maiores informações http://www.mosteirotrapista.org.br

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: