Debugging Fail Ale Beta 1 – Ribeirão Preto release

O projeto Beer Hacking não é só degustação, viagens e curtição também é produção!

Um dos integrantes do projeto já produziu a sua primeira breja, uma American Pale Ale que carinhosamente batizamos de Fail Ale Beta 1 (Ribeirão Preto release). A receita utilizada foi a disponível no site d’A Turma, a primeira da lista. Enfim, não fui eu o responsável pela criação então o post não será sobre a produção e sim da degustação dessa breja.

Este rótulo não condiz com a receita produzida. Informações em alfa.

Escolhemos a feijoada de comemoração do aniversário do meu pai para provarmos a breja do Felipe (já que ele e meu pai moram em Ribeirão Preto e eu em Sampa), uma Ale no meio das Lagers (estava rolando chope Antártica pra galera e Carlsberg para os que preferem puro malte – estava R$ 1,50 a garrafa no Sam’s Club).

Como não escondemos a garrafa ou fizemos a degustação fora da festa, muitos ficaram curiosos para saber que garrafa sem rótulo era aquela e queriam provar a criação do Beer Hacking. Sendo assim, essa degustação será quase que coletiva.

Evidência de que estavamos verificando a sendimentação da cerveja. Meu topete foi desmanchado pelo McGiver (ao lado de branco), desculpem a falha.

Garrafa em mãos e a primeira coisa que notamos foi a sedimentação. Pela cerveja não ser filtrada como as comerciais, transferência da cerveja do balde de fermentação para o de envase e, principalmente, ser uma Fail Ale, muita coisa foi parar na garrafa, mas até aí não é problema, mais sabores (bons ou ruins…).

Momento de tensão na abertura da Fail Ale... Mas deu certo! 😀

Garrafa aberta e já temos o sinal da carbonatação! Psssssss… Maravilha, agora é servir com cuidado para não ir muito sedimento para o copo…

Servindo a breja. A cara não é de nojo, eu juro! É de PUTAQUEPARIU!!!

A Fail Ale não teve um colarinho espetacular, pra falar a verdade nem lembro se formou (era muita emoção na hora), mas mostrou que tinha gás e não seria uma cerveja “choca”.

Nossa Fanta, ou melhor, Fail Ale Beta 1 Ribeirão Preto Release
Nossa Fanta, ou melhor, Fail Ale Beta 1 Ribeirão Preto Release

Como disseram alguns dos presentes, ela tinha cor de Fanta. Acho que esse tom foi devido a duas coisas: o malte Cara Red, feito para Red Ales e a falta de um whirlfloc para clarear um pouco a breja. Mas até aí, se não tiver gosto de Fanta, Sukita ou Doly Laranja tá valendo.

McGiver comentando, Fio "olfatando" e Felipe, o dono da Fale Ale, feliz da vida. 😛

A presença do lúpulo Hallertauer Tradition surpreendeu, como não sabia o que esperar dessa primeira leva do Felipe tive várias surpresas. O aroma floral desse hop, o adocicado dos maltes e um outro aroma que lembrava pão (pode ser o sedimento) me fizeram esquecer da cor de refrigerante de laranja e pensar mais em cerveja. O álcool não apareceu, mas de qualquer forma o Felipe não tinha muita certeza da graduação alcoólica.

Olha a cara do "especialista" degustando a Fail Ale.

Chegou a hora de provar a Fail Ale… Agora sim tinha certeza que alguma coisa tinha dado certo! Tinha cara de cerveja, cheiro de cerveja e agora gosto de cerveja! A carbonatação estava muito boa, embora não tenha formado colarinho estava muito boa, longe de ser choca. O sabor doce dos maltes estava bem presente, talvez os fermentos não tenham consumido dos os açúcares, enfim o processo quem posta é o Felipe. No paladar também não percebi álcool, o Hallertauer estava ali também e o sabor de pão também.

Agora chegou a vez do pessoal da feijuca provar… Vou consolidar algumas frases ditas no primeiro gole (deixarei anônimo para não prejudicar ninguém):

“É… então… não é meu tipo de cerveja…”
“Tem laranja, é? Gostosinha…”
“Nossa, muito gás! E tem laranja, né?”
“Vocês vendem? Acho que o pessoal da Psico ia curtir…”
“Gostei mô, faz uma dessa igual pra mim? É bem docinha…”
“É… É… É cerveja isso?”
“Boa, boa… Se fizer mais eu tomo.”

Em sentido horário começando da Fail Ale canto superior direito... McGiver, Sedimento vs Sem, Rodolfo e Thiago, Sheila escondida, Rodolfão (o homenageado da Feijuca) e eu na expectativa de aprovação, Dona Anna (a dona da Feijuca) e Victor Dasein ao centro.

A Fail Ale foi uma ótima surpresa. Parabéns Felipe pela produção! Agora é esperar a Sampa Release. Um brinde!

Um brinde às cervejas boas, e à Fail Ale, por que não? 😀

Ah, e feliz dia do wifi! Sim, hoje é 8.02.11 e se você não entendeu (já que temos um público não-techie): http://en.wikipedia.org/wiki/IEEE_802.11

Publicado por Fio Cavallari

Analista de segurança, pesquisador de malwares, guitarrista ruim e imitador do Silvio Santos.

Participe da discussão

2 comentários

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: