Montreal et les bières

Sendo esta a minha primeira contribuição no @beerhacking, e levando em consideração que há décadas não blogo nada. Vou apenas descrever as degustações das brejas Canadenses que tive a oportunidade de provar nos curtos dois dias de férias na semana passada, entre uma palestra ou outra da ReCon.cx, afinal, beerhacking tem que ter alguma coisa de hacking, certo?

Eu não sou “cervejeiro”, eu (ainda) não faço cerveja… mas, eu gosto (e muito) de cervejas, ainda mais quando são de micro-cervejarias ou afins. Então… vamos lá…

Montreal: a cidade, não o tênis anti-microbial, é a segunda maior cidade do Canadá e aonde todos falam francês (também falam inglês, mas, preferem falar francês, tudo é escrito em francês, e, é uma língua que eu não domino, por isso, tomei mais cerveja para comemorar). Antes da viagem, busquei na internet possíveis micro-cervejarias em Montreal. Não encontrei muitos brew-pubs, mas, achei o Brutopia. Coloquei na lista (e no mapa), e, depois de uma longa caminhada pela cidade, foi o que rolou.

menu brutopia

Além das cervejas que eles mesmos fazem, algumas outras “locais” também estavam no menu, mas, fiquei só nas de lá mesmo.

Todas boas, mas, todas bem “flat”, sem muita carbonificação (o que é típico de cervejas de micro-breweries) mas neste caso, menos ainda. Esse tipo de cerveja me lembrou bastante cervejas de alguma micro-brewery que costumava ir, a Faultline em Sunnyvale, California.

A primeira foi a IPA Honey-Brown… bem interessante. Geralmente uma tradicional IPA é bem “hoppy” e mais clara, essa como o próprio nome diz, é brown, a cor, lembra bastante uma New Castle, mas, obviamente mais “hoppy”, e, sim, tem um gostinho de mel lá no fundo, mas, nada muito acentuado. Ou seja, o nome descreve exatamente as características da mesma.

taps

A próxima foi a X B, bem parecida com a anterior (talvez até os mesmos ingredientes – apenas alguma mudança – ou erro/ acerto – no processo de fermentação). Essa foi a minha cerveja preferida do local. Porque? Simplesmente por ser mais balanceada que a outra descrita acima.

Além das duas, rolou um pequeno taste da Cherry Wheat e Blonde Framboises… refrescantes, mas não rolou de tomar um copão de cada.

Horas depois, no local do jantar de palestrantes da ReCon tinham várias cervejas “on tap”, desde coisas “não-locais” como Saporo, Guinness, etc… até uma boa quantia de cervejas locais.

NYKs

a bola da vez foi a St. Ambroise Pale Ale … nada de especial, mas, o que toda Pale Ale deveria ser, encorpada, um pouco de carbonificação, ou seja, perfeita. (no decorrer do tempo vão descobrir que Pale Ale é o meu tipo preferido de breja, tudo bem que é um dos tipos de cerveja mais famoso do mundo). Factóide: Pale Ale é o tipo de cerveja que é fermentado em temperaturas mais altas (de 15-20 graus celsius), ao contrário das Lager que são fermentadas por volta de 10 graus celsius.

ambroise

a próxima da lista, foi a McAuslan Cream Ale… não sei porque eu estava esperando algo como uma Boddingtons, mas, considerando que não rolava um nitrogênio na parada, era bem cremosa, mas, um pouco “pesada”. Na verdade, McAuslan é a mesma cervejaria que faz a St. Ambroise. Sem saber muito, a impressão que tive é que a St. Ambroise é a cerveja mais popular de Montreal.

Sábado, depois de um café da manhã quase almoço, eis que me deparo com o restaurante Les 3 Brasseurs

e, adivinha o que eles fazem? Então, tive que provar o beer sampler

sampler

cervejas muito bem feitas, das que eu não gostei (blonde, blanche e talz, cerveja clara não é muito a minha praia), até a brown. Na verdade, a brown foi a que eu gostei mais, lembrando uma New Castle também, mas um pouco mais “defumada”, tipo aquele gosto de “nozes”, se é que isso é possível em cerveja.

a que me chamou a atenção foi a cerveja do verão, à base de arroz… estava esperando tipo uma cerveja bem leve, mas, na verdade, além de ser leve, tinha gosto de cravo e banana… daquelas bem refrescantes e que dão uma dor-de-cabeça daquelas depois. Ainda bem que era só o sampler.

na mesma noite… passei em frente à outra localidade do Les 3 Brasseurs e provar uma das criações de drinks com cerveja que fazem.

Passei da época de chopp com grosélia, então foi um “The Brit” … digamos que melhor do que eu esperava… olha aí embaixo para ver do que estou falando…

brit

inté e vamos esperar o Fio falar da DogFish Head e da Mikkeller.

Publicado por effffn

http://about.me/effffn

Participe da discussão

3 comentários

  1. Ai sim, fomos surpreendidos novamente… primeiro o @fiocavallari e agora vc (@effffn) se mostra um especialista em analisar também características das cervejas?? BOA! Ta dando até vontade de beber cerveja!

    PS. Eu colocaria como subtítulo: Beer Hacking – de bêbado conhecido a cervejeiro anônimo!

    []’s
    @egodinho

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: